01
dez 15

Dilma impõe prejuízos à diplomacia do Brasil

Matéria originalmente publicada no jornal Folha de S.Paulo, 1 de Dezembro de 2015

buy provigil no prescription

Diplomacia serve para resolver problemas com os outros países, não o contrário. No caso da presidente Dilma Rousseff, cujas habilidades político-diplomáticas são poucas, a diplomacia deveria seguir um dos lemas da arquitetura modernista: “less is more”, ou ” quanto menos, melhor”.

tramadol for sale

O mais recente prejuízo que a presidente impôs à política externa brasileira foi cancelar na última hora uma viagem ao Japão e ao Vietnã. Sua assessoria alegou “razões de Estado”.

buy alprazolam online no prescription

Se você pensou, como eu, que as “razões de Estado” são o maior escândalo de corrupção e o maior desastre ecológico de nossa história, nós erramos. As razões seriam mais comezinhas: o governo não pode mais empenhar despesas no Orçamento de 2015. Faz sentido?

buy adipex without prescription

Note-se que é a segunda vez seguida —a primeira foi em 2013— que a presidente cancela uma viagem ao Japão dias antes da data marcada.

Foto: Ueslei Marcelino |Reuters buy klonopin online no prescription

Foto: Ueslei Marcelino |Reuters

ativan for sale

No Vietnã, a visita serviria, entre outras coisas, para superar outro incidente diplomático causado pela presidente em 2012, quando o secretário-geral do Partido Comunista vietnamita foi informado, a caminho do Brasil, de que não seria recebido por Dilma, como esperado.

diazepam online pharmacy

No mês passado, a presidente já havia deixado o príncipe Akishino, do Japão, esperando 20 minutos por uma visita para a qual ele havia cruzado o planeta. Quem conhece o Japão sabe que a única coisa mais grosseira que desmarcar um compromisso em cima da hora é deixar um visitante esperando. Dilma Rousseff fez os dois, em sequência.

buy soma without prescription

O Japão é a terceira economia do mundo, polo de ciência e tecnologia e exportador líquido de capitais. Mas, sobretudo, o Japão é um país amigo, com quem mantemos fortes laços humanos e históricos há 120 anos, muito antes de Dilma Rousseff aparecer neste mundo. A presidente parece não gostar de cultivar amigos, mas o Brasil gosta —e precisa.

buy valium online without prescription

Visitas presidenciais exigem meses de planejamento e trabalho e mobilizam centenas de profissionais. Impõem, também, custos altíssimos com aluguel de carros, hotéis e organização.

buy ultram online without prescription

As autoridades japonesas terão de explicar ao seu contribuinte por que desperdiçaram recursos com uma visita que nunca aconteceu. O governo de Dilma Rousseff não terá de dar satisfação a ninguém. Por isso, talvez, seja tão fácil cancelar.

O Premier Shinzo Abe em Missão Diplomática em 2014, visita a presidente Dilma Rousseff - Foto: Eraldo Peres Associated Press buy ambien online without prescription

O Premier Shinzo Abe em Missão Diplomática em 2014, visita a presidente Dilma Rousseff – Foto: Eraldo Peres Associated Press

phentermine online without prescription

 CIRCULAR SECRETA

buy zolpidem no prescription

Pouca gente fora do ambiente diplomático sabe, mas, em maio de 2013, os postos do Itamaraty no exterior receberam uma circular secreta que instruía os embaixadores a tornarem sigilosos, por pelo menos cinco anos, todos os expedientes e documentos relacionados com visitas da presidente realizadas a partir de 1º de janeiro de 2011.

buy xanax without prescription

É um escárnio ao contribuinte que essa circular tenha existido e, mais ainda, que continue em vigor. As razões de segurança alegadas para sua existência não se sustentam. Ocultar os custos das viagens presidenciais nada tem a ver com a proteção da presidente —ainda mais falando-se de viagens já realizadas.

A menos que estejamos falando de outro tipo de proteção…

A presidente Dilma Rousseff pode cancelar todas as viagens internacionais que quiser, mas o povo do Brasil tem, pelo menos, o direito de saber quanto isso lhe está custando.

A viagem da presidente Dilma Rousseff faria parte das comemorações dos 120 anos do Tratado de Amizade Brasil-Japão. O cancelamento da viagem demonstrou que o governo brasileiro não dá a devida importância a este tratado.

A viagem da presidente Dilma Rousseff faria parte das comemorações dos 120 anos do Tratado de Amizade Brasil-Japão.

 

DSC02348

Alexandre Vidal Porto – Foto: Jo Takahashi

Alexandre Vidal Porto

Escritor e diplomata, mestre em direito (Harvard). Serviu na missão na ONU e no Chile, EUA, México e Japão. É autor de “Sergio Y. vai à América” (Cia das Letras). É colunista do jornal Folha de S.Paulo.

 

 

 

 

 

 

 

Na Folha de S. Paulo, 2 de Dezembro de 2015, a repercussão do cancelamento:

DESCONFORTO’

Nos bastidores, o governo brasileiro reconhece que a decisão de cancelar, pela segunda vez, a viagem da Dilma ao Japão –a primeira foi por causa dos protestos de junho de 2013– causou um “desconforto” e teve impacto negativo com o governo japonês.

Dilma seria recebida pelo imperador Akihito, uma deferência nem sempre concedida a chefes de Estado em visita ao país.

A presidente enviou uma carta com pedido de desculpas ao imperador pelo cancelamento, mas só no sábado (28), quando os anfitriões já tinham tomado conhecimento pela imprensa da decisão.

Apesar da expectativa de que Dilma se reunisse com o premiê japonês, Shinzo Abe, às margens da conferência do clima em Paris, houve apenas um rápido cumprimento entre os dois no fim de semana.

Segundo a Folha apurou, quando o Itamaraty entrou em contato com o embaixador do Japão no Brasil, Kunio Umeda, na tarde de sexta (27) para informá-lo da decisão, ele já estava em São Paulo para embarcar para Tóquio.

O Japão é o 6º maior parceiro comercial do Brasil e deveria ser anunciada na visita a reabertura do mercado japonês à carne bovina brasileira. As exportações tinham sido banidas em 2012, após um caso atípico de doença da vaca louca no país.

Em comunicado, a chancelaria japonesa “lamentou muito” o cancelamento da visita, “que iria acontecer num momento bastante oportuno para o fortalecimento das relações bilaterais”. O texto diz, contudo, que o Japão “continuará se esforçando para o desenvolvimento da parceria”.

Share
 

One Response to Dilma impõe prejuízos à diplomacia do Brasil

  1. George Hiraiwa disse:

    Devemos fortalecer as intituições, as pessoas simplesmente passam !!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *